Arquivo da categoria: Outros

O que são dados sensíveis e como eles podem prejudicar sua vida offline?

 

Dados sensíveis

Você sabe o que são dados sensíveis? Neste último ano estamos falando muito sobre proteção e privacidade de dados, não somente devido a proximidade do início da vigência da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) em 2020, mas em virtude de uma tendência que tem crescido bastante nos últimos anos.

Porém, mesmo com abordagem feita em sites especializados e até aqui em nosso blog, muita gente ainda tem dúvidas sobre alguns temas relacionados a proteção de dados e a garantia pela privacidade, por essa razão, dúvidas como o que são dados sensíveis, surgem frequentemente e são bastante comuns.

Tudo começou com as transformações sociais e digitais

Antes mesmo de partirmos para entender o que são dados sensíveis e como eles podem prejudicar sua vida offline, vale a pena dar uma olhada para trás e entender que a preocupação com dados e privacidade não foi algo que surgiu de uma hora para outra.

Há alguns anos, testemunhamos importantes transformações sociais e digitais. A separação entre privado e público tornou-se uma linha praticamente inexistente. Para muitos usuários, a internet se tornou parte da vida real e não como algo puramente virtual. 

Para eles, a internet é muito mais que uma ferramenta usada para conectar pessoas. A vida digital se tornou uma extensão do offline, onde tudo precisa ser compartilhado. Mas, como todas as ferramentas, precisamos saber como usá-lo adequadamente, para não nos machucar.

Ao mesmo tempo, devido ao progresso tecnológico e à era da globalização em que vivemos, mais e mais pessoas parecem estar perdendo o controle sobre seus dados pessoais. 

Estamos diante de uma verdadeira desmaterialização dos dados. Essas mudanças podem ter um impacto importante em nossas vidas, tanto online quanto offline.

O que são dados sensíveis?Dados sensíveis

O artigo 5º da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), define dado pessoal sensível como características pessoais sobre origem racial ou étnica, convicção religiosa, opinião política, filiação a sindicato ou a organização de caráter religioso, filosófico ou político, dados referente à saúde ou à vida sexual, genético ou biométrico, quando vinculado a uma pessoa natural.

Portanto, nos termos mais básicos, dados pessoais são qualquer informação que alguém possa usar para identificar, com algum grau de precisão, uma pessoa viva. Como exemplo, podemos citar um nome e sobrenome, um endereço residencial, endereço de e-mail, etc.

Já os dados pessoais sensíveis são um conjunto específico que devem ser tratadas com segurança extra. E como vimos, inclui informações referentes à origem racial ou étnica, crenças religiosas ou filosóficas, dados genéticos e biométricos, etc.

O “efeito dominó”

Os efeitos do que os consumidores fazem na web têm um impacto cada vez maior no mundo físico. Das compras online ao trabalho remoto e relacionamentos sociais, as consequências afetam diretamente nas atividades tanto físicas quanto na digital.

Isso também se aplica à áreas como ameaças pessoais e em assuntos relacionados à saúde e finanças. Para se ter uma ideia, em 2016, uma menina de 18 anos no Texas foi constantemente intimidada nas mídias sociais por seu peso. Incapaz de suportar o trauma, ela tirou a própria vida. De fato, comentários negativos foram publicados mesmo após a morte dela.

Muitos já experimentaram como as atividades on-line se manifestam como ameaças no mundo físico, ainda assim, pensando que sabem lidar com a situação, ainda se sentem no controle de sua segurança. Por outro lado, há outros que se sentem inseguros, independentemente de terem ou não essas experiências.

De fato, não somos mais os únicos responsáveis ​​pelos dados aos quais precisamos acessar. Agora eles são confiados a diferentes estruturas de tecnologia e de armazenamento por parte das empresas. 

Essa perda de controle ou “propriedade”, devido a hackers ou por nossa própria falta de cuidado, pode levar a um potencial “efeito dominó” entre a vida privada e pública, pois ambas estão entrelaçadas. 

Outro exemplo significativo disso é que hoje em dia, sempre que nos candidatamos a um emprego, um recrutador verifica quase automaticamente nossos perfis de mídia social. O que mostramos em nossas vidas privadas é, em primeiro lugar, não mais privado. Em segundo lugar, isso afeta nossa vida pública, como se um recrutador entra ou não em contato com a pessoa no perfil.

A importância da educação na prevenção

Para enfrentar esse cenário de grandes mudanças, as pessoas precisam se educar para entender melhor o ambiente on-line e seu potencial impacto no mundo off-line. Um mal-entendido do mundo digital pode ter sérias conseqüências humanas, econômicas e de reputação. 

Além disso, uma vez na internet, um rastro permanece para sempre.

Curiosamente, mesmo as pessoas consideradas como “nativos digitais” são frequentemente as mais “ingênuas do ponto de vista digital”. As pessoas que foram criadas com a Internet e as mídias sociais geralmente pensam que “conhecem” profundamente esse universo. 

Isso significa que eles podem não reservar um tempo para proteger suas contas adequadamente. No uso da mídia social, por exemplo, eles não tomam precauções suficientes em termos de segurança e confidencialidade. 

Ao mesmo tempo, as pessoas não consideradas “nativos digitais” precisam se educar, o que pode torná-las mais conscientes dos perigos da internet, reduzindo riscos que podem trazer consequências negativas ao “mundo real”.

Fique por dentro de nossas dicas e novidades! Acompanhe o blog, as nossas redes sociais e assine a nossa newsletter. Na Tilibra Express você tem a confiança de comprar online com uma marca líder de mercado.

Qual a diferença entre quadro branco e magnético?

Conceitualmente os quadros brancos são práticos e funcionais. Além de terem a cor branca, eles podem ser laminados, de vidro, de porcelana, aço pintado, etc. Além disso, você pode limpar o que escreveu com bastante facilidade. 

Por conta dessas qualidades, tornam, o que seria para algumas pessoas um “simples” quadro branco, um acessório de extrema importância para ambientes escolares ou corporativos, inclusive sendo utilizado como uma importante ferramenta para planejamento, controle de agenda e calendários, como quadros sinalizadores, para divulgação de avisos e recados, e outras funcionalidades.

Além disso, como são fáceis de limpar e manter, o quadro branco pode até ser usado ​​como uma tela de projeção improvisada. 

Na maioria das vezes, eles também não são muito pesados ​​e podem ser facilmente trocados. Por ser tão simples como é, imagina-se que não é possível fazer qualquer inovação importante com o uso do quadro branco, porém sempre é possível inovar. 

Porém, qualquer coisa adicionada a essa ferramenta se transforma automaticamente em outro dispositivo. Os quadros inteligentes, por exemplo, possuem recursos eletrônicos embutidos e são utilizados de formas totalmente diferentes do tradicional.

A evolução do quadro branco

Uma mudança sutil que realmente melhora os quadros brancos é torná-los magnéticos. 

Os quadros magnéticos não são diferentes dos quadros tradicionais. Mesmo com suas características, podendo variar entre o tipo de superfície e cor,  eles podem ser limpos com um pano seco e reutilizados infinitamente. Evolução do quadro branco

No entanto, um quadro magnético permitirá que você coloque acessórios metálicos no quadro. Você pode colocar marcadores, setas, realces e folhas de papel. Isso facilita a apresentação, especialmente se for usado como quadro de avisos ou como painel de informações. 

Mas então qual deles você deve comprar?

Basicamente, depende de que tipo de público você vai atender e as atividades relacionados ao uso do quadro. Se você não mover muito a placa e não precisar de acessórios magnéticos, escolha o quadro branco tradicional. Eles inclusive são mais baratos.

Se, no entanto, você precisar de interações mais dinâmicas que a tradicional escrita, a exemplo de objetos ou algo que torne o uso do quadro algo movimentado ou participativo, obtenha um quadro magnético. 

Uma superfície magnética expande o uso de quadros brancos para apresentações em salas de aula, salas de conferência, escritórios e outros lugares. Os quadros magnéticos são populares, especialmente nas escolas, porém em algumas situações um quadro não magnético pode ser suficiente para suas necessidades.

Tá na dúvida? Tenha os dois!

O quadro magnético permite, por exemplo, que os professores façam mais do que escrever com marcadores de apagamento a seco. 

Com ímãs ou clipes, gráficos e documentos podem ser publicados na superfície do quadro branco magnético, além disso, figuras geométricas, imagens e outras ilustrações também podem ser aplicadas na superfície do quadro para aprimorar as apresentações.

Algumas escolas e escritórios escolhem quadros brancos não magnéticos na parte traseira ou lateral das salas de aula, onde lembretes, tarefas de casa ou outras anotações escritas são o único uso necessário do quadro.

Já nas no ensino médio e universidades, os quadros brancos tradicionais são mais comuns, pois são amplamente utilizados para o desenvolvimento do conteúdo de aula ou como superfícies de projeção.

Além disso, os quadros brancos são comumente usados ​​nos negócios para colaboração e planejamento, e para rastrear vendas, produção e segurança.

O quadro branco é uma estratégia de comunicação essencial para diferentes tipos de negócios, atividades e objetivos, você só precisa adaptar a sua necessidade.

Para saber mais..

Conheça toda a linha de quadros brancos e magnéticos em nosso site. Na Tilibra Express você tem a confiança de comprar online com uma marca líder de mercado. Além disso, siga em nosso blog as dicas e truques de como manter seu quadro branco sempre limpo e conservado por mais tempo.

Aproveita para ficar sempre por dentro de nossas dicas e novidades! Acompanhe o blog, as nossas nas redes sociais e assine a nossa newsletter.

Qual é o tempo certo para o armazenamento de documentos físicos?

O armazenamento de documentos físicos é uma tarefa comum para pessoas e empresas em todo o mundo. No entanto, muita gente não sabe como armazenar corretamente os arquivos para protegê-los e preservá-los.

O papel e a mídia digital (CDs, USBs, fitas, etc.) que contêm informações precisam ser preservados para assuntos comerciais, legais ou pessoais.

Infelizmente, os documentos físicos não são estáveis. Eles se deterioram com o tempo, principalmente quando armazenados em um ambiente que não possui níveis controlados ​​de temperatura ou umidade.

Portanto, a questão que fica para a maioria das pessoas e muitos gestores de empresas que se preocupam com o gerenciamento de arquivos atualmente é: qual é o tempo certo para o armazenamento de documentos físicos?

Entender os tipos de documentos é o primeiro passo

Um dos primeiros e mais importantes aspectos do armazenamento de documentos físicos é determinar qual é o tipo do arquivo a ser acondicionado. Para os empresários, isso é importante.

Existem basicamente três tipos de documentos: ativo, inativo e arquivamento.

  • Documentos ativos são aqueles que estão sendo usados ​​atualmente nos negócios e devem estar prontamente acessíveis aos funcionários e gestores. Os arquivos ativos devem ter uma área de armazenamento dedicada e segura, no próprio local de trabalho, para evitar roubo ou perda de documentação. 

  • Documentos inativos devem ser movidos das áreas de trabalho para o armazenamento dedicado a documentos inativos – dentro ou fora da empresa. Os arquivos inativos requerem um ambiente controlado com níveis regulados de temperatura e umidade e proteção contra inundações, pragas e luz para que possam ser preservados.

  • Arquivamento são documentos inativos, mas que têm valor. Esse tipo de arquivo requer maiores cuidados e sua preservação é essencial. Os documentos devem ser transferidos o mais cedo possível para uma área de armazenamento dedicada, sendo recomendado que seja externo e com condições semelhantes aos registros inativos.

Independente do status dos documentos, todos eles requerem um tratamento cuidadoso para preservação e proteção.

Por quanto tempo os documentos físicos devem ser armazenados?

Em relação ao tempo de armazenamento, tudo vai depender do documento a ser guardado. Normalmente, o prazo pode variar entre três até 30 anos. Tudo vai depender dos aspectos legais. 

Há, ainda, documentos que mesmo sem previsão legal devem ser armazenados pela empresa por tempo indeterminado. É o caso da folha de pagamento, livros de inspeção do trabalho e o registro de empregados.

Documentos contábeis e fiscais

Documentos contábeis e fiscais, precisam ficar arquivados por, no mínimo, cinco anos. Mas, além do prazo de armazenamento de documentos, você sabe quais devemos guardar?

Veja, abaixo, os mais comuns que devem ficar guardados:

  • Notas fiscais e recibos;

  • Imposto de Renda;

  • Programa de Integração Social (PIS);

  • Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (COFINS);

  • Livros fiscais;

  • Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL);

  • Imposto sobre Circulação de Mercadoria e Prestação de Serviços (ICMS);

  • Declaração Anual do Simples Nacional (DASN);

  • Declaração do Imposto Retido na Fonte (DIRF);

  • Declarações DIPJ, DCTF, DACON;

  • Guia de Informação e Apuração ICMS (GIA);

  • Declaração de Ajuste Anual – IRPF e deduções.

Há documentos, como a Ficha de Acidentes de Trabalho e o CIPA e comprovantes de votação, que devem ficar arquivados por três anos. Atestado médico de gestantes, ficha de salário maternidade e o convênio salário educação precisam ficar guardados por 10 anos. O armazenamento de documentos relativos ao FGTS deve ser de 30 anos.

Seja organizado e evite problemas futuros

Para o armazenamento de documentos físicos, é importante mantê-los todos organizados. Arquivos ativos, inativos e arquivamento devem ser mantidos separados um do outro.

Todos os documentos devem ser indexados com um sistema de classificação e identificados pela sua importância. A falta de organização em relação ao armazenamento de documentos físicos pode ser muito prejudicial para uma empresa, pessoa ou agência governamental. 

Isso leva a diferentes tipos de problemas, de um grande estresse emocional, frustração ou ansiedade, até penalizações diante de fiscalizações realizadas por órgãos de fiscalização do governo.

Seja organizado, configure um sistema de classificação antes de embalar e guardar os documentos físicos, armazene itens semelhantes juntos e mantenha arquivos com status diferentes separados um do outro. Além disso, verifique se a pessoa que está organizando os arquivos no armazenamento é confiável.

Surgem diversos problemas se o armazenamento de documentos físicos não for feito corretamente

Os arquivos precisam ser preservados para que as empresas ou qualquer pessoa que faça armazenamento de documentos físicos não percam informações vitais e possam manter registros precisos de suas atividades por questões legais.

Os arquivos precisam ser protegidos para que incidentes de segurança não ocorram e a deterioração seja moderada.

Além disso, a falta de preservação e proteção pode levar uma empresa, agência governamental ou pessoa a se tornar vítima de roubo de identidade, ser acusada de fraude, decretar falência e muito mais.

As pessoas sabem o quanto os arquivos são importantes e é por isso que muitos arquivos são mantidos, mas o armazenamento insuficiente leva a problemas. Por essa razão, não pense duas vezes antes de implementar formas seguras de fazer o armazenamento de documentos físicos.

Fique por dentro de nossas dicas e novidades! Acompanhe o blog, as nossas nas redes sociais e assine a nossa newsletter. Na Tilibra Express você tem a confiança de comprar online com uma marca líder de mercado.

10 motivos para uma fragmentadora de papel se tornar prioridade na sua empresa

fragmentadora de papel

Pronto para fazer uma limpeza em sua empresa? Uma das razões mais óbvias para o uso de uma fragmentadora de papel é, sem dúvida, a organização de sua corporação, eliminando todos aqueles documentos sem utilidade. E uma ressalva: documentos expirados são igualmente suscetíveis a roubo.

E esse tipo de transtorno pode ser evitado se um processo contínuo para destruição de todos os documentos que perderam suas respectivas validades for implantando em sua empresa. Por isso, separamos 10 bons motivos para que uma fragmentadora de papel se torne uma prioridade em sua empresa e parte do processo que acabamos de citar.

  1. Por requisitos da lei

Arquivos considerados confidenciais, a exemplo de registros médicos, detalhes de salário ou dados pessoais de clientes, devem ser descartados corretamente de acordo com a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). Esses documentos precisam ser triturados antes de serem descartados para garantir que as informações pessoais permaneçam protegidas.

  1. Pela proteção contra o roubo de identidade

O roubo de identidade está se tornando um crime comum, com criminosos vasculhando os depósitos de lixo para extrair informações pessoais de outras pessoas. Se alguém colocasse as mãos nos detalhes do endereço de uma pessoa, por exemplo, seria muito mais fácil solicitar um cartão de crédito em seu nome, por exemplo.

  1. Para economizar tempo

Rasgar ou cortar manualmente documentos pode levar muito tempo, sem mencionar a possibilidade de ocorrer acidentes com objetos cortantes. A destruição de documentos com o uso da fragmentadora de papel é uma maneira rápida, segura e fácil, para garantir o descarte correto de registros que perderam sua utilidade dentro de uma empresa.

  1. Seus dados comerciais permanecerão confidenciais

As empresas tendem a documentar tudo, desde notas de reuniões a detalhes da equipe; desenvolvimentos futuros de negócios a números de vendas. Imagine se estas informações caíssem nas mãos erradas? A trituração de documentos através da fragmentadora de papel pode dar às empresas a tranquilidade de que as pessoas não poderão vasculhar seus documentos e descobrir, por exemplo, os planos futuros de um negócio e outras informações estratégicas.

  1. Reduza o risco do uso indevido de imagens pessoais

Se você deseja eliminar identificações que contenham imagens pessoais, como crachás de segurança ou identificações de funcionários, considere usar uma fragmentadora adequada para destruí-las. Embora apenas os IDs com foto não sejam suficientes para roubar sua identidade, as informações incluídas na identificação podem ser usadas contra você ou sua empresa em um esquema maior.

  1. Economize espaço de armazenamento

Algumas empresas mantêm papéis e documentos por anos – muitos deles já sem utilidade para a corporação – devido à incerteza de como descartá-los adequadamente. Os papéis podem ocupar bastante espaço em um escritório, portanto, ao triturá-los com uma fragmentadora de papel, além de garantir o descarte correto, contribuirá para a liberação de espaço e, consequentemente, mais organização.

  1. Reduza o risco de incêndios

Empilhar papéis pelo escritório pode criar o combustível perfeito para espalhar um incêndio. Ao destruir documentos fazendo uso de uma fragmentadora de papel, você pode garantir que as empresas mantenham apenas o necessário e eliminem o risco de incêndio causado pelo excesso de papel. 

  1. Ganhe a confiança do consumidor

Se uma empresa destrói documentos confidenciais – estes que registram detalhes sobre seus clientes – de forma adequada, com uso, por exemplo, de uma fragmentadora de papel, mostrará a seus clientes o cuidado e a transparência da corporação e reafirmará sua credibilidade.

  1. Mantenha um ambiente de harmonia

Os chefes da empresa criam e têm acesso a documentos confidenciais que afetam diretamente sua equipe, como revisões e escalas salariais, informações disciplinares, etc. Se um funcionário visualizar até mesmo um rascunho de um desses documentos sobre seu salário ou cargo na empresa, isso poderá causar suspeitas e sentimentos ruins por toda a equipe. A destruição de informações potencialmente sensíveis garantirá que as empresas mantenham sempre uma harmonia entre os seus funcionários.

  1. Faça sua parte em relação ao meio ambientefragmentadora de papel

A maioria das empresas deseja destacar suas credenciais ecológicas e a reciclagem de papel é uma maneira de mostrar aos clientes – e concorrentes – que se preocupam com o meio ambiente. A trituração de documentos através da fragmentadora de papel facilita muito a reciclagem, pois o papel triturado pode simplesmente ser ensacado e levado para um ponto de reciclagem ou coletado por uma empresa de reciclagem. 

A importância da fragmentadora de papel acontece por diferentes formas

Seja pela redução de custos, aumento de produtividade ou gerenciamento de processos, o uso da fragmentadora de papel se tornou estratégica para as empresas.

Além disso, a destruição de seus arquivos deve estar alinhada com os requisitos de retenção de documentos e cumprir todas as leis federais, estaduais e locais. Leve isso em consideração ao estabelecer seu processo para a destruição segura de seus registros confidenciais.

Para não correr riscos, implemente o quanto antes formas seguras de eliminação de documentos. Conheça a nossa linha de fragmentadoras de papel e faça a coisa certa.

Além disso, fique por dentro de nossas dicas e novidades! Acompanhe o blog, as nossas nas redes sociais e assine a nossa newsletter. Na Tilibra Express você tem a confiança de comprar online com uma marca líder de mercado.

Proteção de dados pessoais: como evitar que seus dados caiam em mãos erradas?

Proteção de dados pessoais

É cada vez mais comum o uso de informações pessoais na Internet, seja por empresas através das operações de negócios ou no uso individual na realização de compras. Com essa maior frequência em dispor de tais dados, aumenta-se, também, a probabilidade de incidentes de segurança e de invasão de privacidade. 

Os problemas podem variar desde o recebimento de e-mails e telefonemas não solicitados, até o roubo de identidade e fraude financeira. Ocasionalmente, existem casos em que as organizações mantêm informações pessoais sem a devida proteção, contribuindo para o vazamento ou roubo de dados. 

Além disso, existem as situações em que os usuários da Internet fornecem seus dados pessoais sem se preocupar como eles serão armazenados, processados e utilizados. O que faz com que informações importantes possam cair, direta ou indiretamente, em mãos erradas. 

Tomar as precauções certas reduzirá consideravelmente esse risco, permitindo aos usuários que desfrutem dos serviços e benefícios prestados pela Internet. Mas afinal, como evitar que seus dados caiam em mãos erradas?

Compilamos uma lista de boas práticas e dicas simples e diretas para garantir a proteção de dados pessoais.

A proteção de dados pessoais começa pela Criptografia

A criptografia de dados não é apenas para os nerds de tecnologia. As ferramentas atuais possibilitam a qualquer pessoa criptografar e-mails e outras informações. 

O que costumava ser um recurso exclusivo para matemáticos e profissionais de tecnologia, tornou-se acessível nos últimos anos. Recursos como e-mail, chat, compartilhamento de arquivos e dados pessoais, procedimento de pagamento e outras ações do cotidiano online, passaram a usar técnicas criptográficas para garantir a proteção de dados pessoais. 

Portanto, apesar de sua complexidade, a criptografia de dados já disponível para todos. Inclusive, é provável que você já esteja utilizando e nem saiba disso.

Instale as atualizações do sistema operacional

Para muitos usuários, as atualizações do sistema operacional são uma dor de cabeça gigantesca. Em alguns casos, por sua complexidade, em outros, por causa do impacto nas operações de negócio, etc. Mas elas são um “mal necessário”.

Essas atualizações contêm correções de segurança críticos que protegerão seu computador contra ameaças descobertas recentemente. Não instalar essas atualizações significa que seu computador ou dispositivo móvel está em risco. A dica aqui é: não importa qual sistema operacional você use, é importante atualizá-lo regularmente.

Proteja sua rede sem fio em sua casa ou empresa.

Uma dica valiosa para proprietários de empresas, indivíduos ou famílias, é sempre recomendável proteger sua rede sem fio com uma senha. Isso evita que pessoas não autorizadas nas proximidades sequestrem sua conexão. 

Mesmo que eles estejam apenas tentando obter acesso Wi-Fi gratuito, você não deseja compartilhar informações privadas inadvertidamente com outras pessoas que estão usando sua rede sem permissão. Se você possui uma rede Wi-Fi no local de trabalho, verifique se ela é segura, criptografada e oculta.

Cuide das configurações de privacidade do seu dispositivo móvel

A maioria dos aplicativos utilizados nos dispositivos móveis oferece configurações de privacidade para os usuários, permitindo determinar quanto e quais tipos de informações são compartilhadas ou armazenadas. 

Sempre escolha a menor quantidade possível de compartilhamento de dados. O Google, por exemplo, oferece níveis de permissão individuais e configurações de privacidade para os aplicativos móveis que fornece. Cada aplicativo permite ajustar a configuração de privacidade para que você possa compartilhar o quanto quiser.

Obtenha proteção antivírus e anti-malware

O software de proteção antivírus e anti-malware é um recurso importante para a maioria dos usuários de tecnologia, mas muitos consumidores ainda ignoram a importância de proteger os dispositivos móveis contra o crescente número de programas de malware que afetam todos os tipos de dispositivos. 

Além da verificação de vírus e malware, os aplicativos de segurança também oferecem um conjunto de recursos fundamentais que podem garantir a proteção de dados pessoais.

Seja excessivamente cauteloso ao compartilhar informações pessoais

Esta dica se aplica aos mundos online e offline: quem está solicitando suas informações pessoais, como sua identidade ou informações de cartão de crédito? Por que eles precisam disso? Como eles vão usá-lo? Quais medidas de segurança eles adotam para garantir que suas informações privadas permaneçam privadas? Proteção de dados pessoais

Saiba para quem você está fornecendo informações e não compartilhe nenhuma informação desnecessária. Em caso de dúvida, retenha as informações sempre que possível.

Destrua documentos e declarações antigos

Consumidores e empresas ainda recebem e armazenam uma abundância de documentos todos os dias. São extratos de cartão de crédito, de conta bancária, notificações sobre outras contas, cópias de contrato e muito outros documentos que ainda fazem parte do nosso cotidiano.

Ainda é uma prática comum, descartar esses documentos sem primeiro rasgá-los ou destruí-los corretamente, colocando assim, informações pessoais nas mãos de ladrões. A fragmentação de documentos ainda é o melhor caminho a fim de garantir a proteção de dados pessoais adequada.

Se sua conta foi invadida, seus dados foram perdidos ou o dispositivo foi roubado, considere uma oportunidade de aprendizado. Descubra exatamente o que deu errado e como você poderia proteger seus dados tomando melhores precauções. 

Enquanto você está consertando as coisas, esse é um bom momento para dar um passo atrás e fazer uma pergunta mais básica: qual foi o motivo da violação?

Fique por dentro de nossas dicas e novidades! Acompanhe o blog, as nossas nas redes sociais e assine a nossa newsletter. Na Tilibra Express você tem a confiança de comprar online com uma marca líder de mercado.

O que mudou com a lei de proteção de dados?

mudança com a lei de proteção de dados

A lei de proteção de dados entra em vigor efetivamente em 2020, o prazo de dois anos foi estabelecido a partir de sua aprovação (2018), para que as organizações pudessem se adequar aos requisitos de proteção e privacidade de dados dos brasileiros.

Apesar do período de adequação a legislação, a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), já provocou mudanças que vão além de ajustes para cumprir a determinação de uma regra definida pelo governo. 

Seu impacto é muito mais abrangente e muda a forma como os consumidores lidam com suas informações pessoais, ou seja, temos uma mudança cultural antes mesmo que a lei de proteção de dados entre em vigor.

A mudança provocada pela Internet

Antes mesmo de falar sobre os impactos da lei de proteção de dados, vale a pena darmos um passo atrás e ver quais foram as mudanças que a Internet provocou nos últimos anos em nossas vidas.

De fato, a Internet mudou drasticamente a forma como nos comunicamos e como lidamos com as tarefas diárias. lei de proteção de dados e suas mudanças

Enviamos e-mails, compartilhamos documentos, pagamos contas e compramos mercadorias digitando nossos dados pessoais e sem pensar duas vezes.

Você já parou para imaginar quantos dados pessoais você compartilhou on-line e off-line hoje?

Ou o que acontece com essa informação?

Estamos falando de informações bancárias, contratos, cartões de crédito, endereços, postagens de mídia social e até mesmo seu endereço IP e os sites que você visitou são armazenados, tanto digitalmente quanto fisicamente.

As empresas informam que elas coletam esse tipo de informação para que possam atendê-lo melhor, oferecer a você comunicações mais direcionadas e relevantes, tudo para proporcionar uma melhor experiência ao cliente.

Mas é para isso que eles realmente usam os dados?

Esta é a pergunta que foi feita e respondida inicialmente pela União Europeia, através do novo regulamento europeu de privacidade, chamado de GDPR, e sua ideia foi replicada aqui no Brasil através da lei de proteção de dados. 

A lei, tanto na Europa quanto no Brasil, definitivamente mudou a forma como você, na figura de uma empresa, coleta, armazena, usa e descarta os dados dos clientes.

Lei de proteção de dados

A Lei de proteção de dados fornece acesso a direitos

O significado da lei de proteção de dados para o cidadão brasileiro consiste basicamente a ter o maior controle sobre os seus dados pessoais, garantindo que suas informações serão protegidas em todo território nacional.

De acordo com as diretrizes da LGPD, dados pessoais representa qualquer informação relacionada a uma pessoa, como nome, foto, endereço de e-mail, dados bancários, atualizações em sites de redes sociais, detalhes de localização, informações médicas ou endereço IP de um computador.

Além disso, não há distinção entre dados pessoais de indivíduos em suas funções privadas, públicas ou de trabalho, e portanto, uma pessoa é considerada um indivíduo detentora de seus dados pessoais, independente do uso de informações num ambiente comercial como um funcionário ou como cliente. 

Os clientes no mercado B2B*, por exemplo, são empresas, mas os relacionamentos que lidam com os tópicos de negócios são indivíduos, e portanto, precisam ter seus dados pessoais preservados.

Com a lei de proteção de dados, cada cidadão brasileiro passa a ter acesso aos seguintes direitos:

  • O direito de acesso aos seus dados pessoais e de perguntar como seus dados são usados ​​pelas empresas.

  • O direito de ser esquecido através da exclusão dos seus dados, caso os consumidores deixem de ser clientes ou se eles retiram o consentimento de uma empresa para usar suas informações pessoais.

  • O direito de transferir seus dados de um provedor de serviços para outro.

  • O direito de ser informado caso ocorra a coleta de dados por empresas.

Além de outros direitos previstos pela lei de proteção de dados que ampliam a garantia de proteção e privacidade dos brasileiros ao seus dados pessoais.

*B2B = “Business-to-Business” e representa o modelo de negócio em que o cliente final é uma outra empresa e não uma pessoa física.

O consumidor é quem manda em seus dados pessoais

A nova lei de proteção de dados coloca efetivamente o consumidor como o controlador de seus dados pessoais, dando acesso e revogando o seu uso em diferentes situações, recaindo a tarefa de cumprir a legislação sobre organizações de diferentes segmentos e tamanhos

Existem penalidades severas para as empresas que não cumprem a LGPD, as multas previstas pela lei de proteção de dados podem ser de até 2% (dois por cento) do seu último exercício, e limitada, no total, a R$ 50.000.000,00 (cinquenta milhões de reais) por infração. 

Fique por dentro de nossas dicas e novidades! Acompanhe o blog, as nossas redes sociais e assine a nossa newsletter. Na Tilibra Express você tem a confiança de comprar online com uma marca líder de mercado.

Como fazer a gestão de documentos físicos e digitais?

 

Gestão de documentos físicos e digitais

Fazer negócios normalmente significa acumular muitos registros e, sem um gerenciamento adequado, esse grande volume de documentos dificulta a recuperação e resolução de problemas. 

Além disso, sua empresa pode se desviar do foco principal de sua atividades ou até mesmo fracassar. Portanto, para administrar sua empresa com eficiência, você precisa de um bom sistema de arquivamento. 

Isso significa criar uma política de organização de arquivos inteligente desde o início, tanto para os registros em papel quanto para os digitais, e depois mantê-los atualizados regularmente a partir de então.

Não são poucos os documentos que lidamos todos os dias. Como exemplo temos faturas, contratos, cotações, e-mails, memorandos e vários outros tipos de arquivos. 

Geralmente, eles são cruciais para o funcionamento das organizações e muitas vezes podem ser difíceis de serem recuperados nos mais tradicionais formatos de armazenamento ou no meio digital. A dificuldade de manusear os seus arquivos pode chegar até mesmo na simples ação de eliminar um documento. 

Não é a toa, que a gestão de documentos físicos e digitais é considerado um grande desafio para as empresas. 

O desafio da gestão de documentos físicos e digitais

Ao dar prioridade na gestão de documentos físicos e digitais, isso inclui tanto corporativo quanto pessoal, você precisa definir uma estratégia para lidar com esse “universo” de arquivos. Gestão de documentos físicos e digitias

Neste processo é preciso verificar como os documentos são reunidos, processados, armazenados e excluídos. Mapear estruturas e processos são os primeiros passos a serem dados para encontrar a melhor forma de gerenciar seus arquivos físicos e digitais. 

Organizando arquivos digitais

A digitalização dos seus arquivos tornou a manutenção de documentos mais rápida, fácil, segura e precisa. 

Toda empresa deve manter cópias digitais de todos os registros em papel, a menos que tenha uma boa razão para não fazê-lo. Para configurar um bom esquema de arquivos para seus registros eletrônicos, use um servidor dedicado e seguro, programando backups de rotina, preferencialmente em outro local físico, para caso o computador falhe ou todo o seu escritório sofra danos causados ​​por um desastre. 

No servidor, crie pastas de arquivos para todos os tipos básicos de registros, como folhas de pagamento, documentos fiscais, contas a receber e a pagar, etc. Caso necessário, use subpastas para criar uma organização mais detalhada. 

O seu objetivo organizacional deve ser a recuperação rápida e intuitiva de qualquer registro específico.

Organizando arquivos em papel

Como um legado de práticas comerciais, a maioria das empresas ainda mantém registros em papel de tudo. 

Às vezes, a cópia de um documento em papel tem força legal de um original, como um contrato de arrendamento executado. Em qualquer caso, ao mesmo tempo em que se esforça para evitar a burocracia desnecessária, você precisa estabelecer um bom sistema de armazenamento para seus arquivos. 

Invista em uma série de gabinetes de arquivos e organize-os de acordo com os tipos de registros que você deve manter, condicione juntos os tipos básicos de registros e usando pastas e para separar arquivos individuais. 

Não permita que diferentes tipos de documento se misturem nos mesmos arquivos. Rotule os gabinetes claramente, para que você saiba onde ir tanto para armazenar ou para recuperar qualquer registro específico. 

Por fim, deixe muito espaço extra nos gabinetes para que você possa alcançar com êxito o objetivo de organizar todos os seus documentos físicos.

Gestão de documentos físicos e digitais

 Rapidez e eficiência na gestão de documentos físicos e digitais

Trabalhe com mais rapidez e eficiência. Nas empresas modernas, a produtividade não pode ser melhorada trabalhando apenas adicionando mais horas. 

É fundamental que você tome medidas para permitir que seus funcionários trabalhem de maneira mais inteligente, e não na forma mais difícil, e faça os mesmos trabalhos em menos tempo.

Seja na forma de documentos físicos ou digitais, sigilosos ou confidenciais, eles precisam ser gerenciados, protegidos e manipulados com responsabilidade, especialmente se os dados contiverem informações pessoais. 

Por essa razão, não pense duas vezes antes de implementar formas seguras de fazer a gestão de documentos físicos e digitais.

Fique por dentro de nossas dicas e novidades! Acompanhe o blog, as nossas nas redes sociais e assine a nossa newsletter. Na Tilibra Express você tem a confiança de comprar online com uma marca líder de mercado.

Conheça as penalidades e multas para a quebra do sigilo de dados pessoais

Penalidades e multas para a quebra do sigilo de dados pessoais

Basicamente, haverá dois níveis de sanções com base na Lei Geral de Proteção de Dados – LGPD. A primeira delas consiste em advertência, com indicação de prazo para adoção de medidas corretivas para a quebra do sigilo de dados pessoais. 

A segunda delas consiste em multas de até 2% (dois por cento) do faturamento da pessoa jurídica de direito privado, grupo ou conglomerado no Brasil no seu último exercício, limitada, no total, a R$ 50.000.000,00 (cinquenta milhões de reais) por infração. 

O que pode ser visto é que as multas são substanciais e são uma boa razão para as empresas garantirem o cumprimento da nova legislação que entra em vigor em 2020.

Como as multas da LGPD são aplicadas em caso de quebra do sigilo de dados pessoais?

De acordo com lei nº 13.709, de 14 de agosto de 2018, legislação que define a LGPD, as sanções serão aplicadas após procedimento administrativo que possibilite a oportunidade da ampla defesa, de forma gradativa, isolada ou cumulativa, de acordo com as peculiaridades do caso concreto e considerados os seguintes parâmetros e critérios:

  1. A gravidade e a natureza das infrações e dos direitos pessoais afetados;

  2. A boa-fé do infrator; 

  3. A vantagem auferida ou pretendida pelo infrator; 

  4. A condição econômica do infrator; 

  5. A reincidência;

  6. O grau do dano; 

  7. A cooperação do infrator; 

  8. A adoção reiterada e demonstrada de mecanismos e procedimentos internos capazes de minimizar o dano, voltados ao tratamento seguro e adequado de dados;

  9. A adoção de política de boas práticas e governança;

  10. A pronta adoção de medidas corretivas;

  11. A proporcionalidade entre a gravidade da falta e a intensidade da sanção.

Portanto, as multas por infrações serão consideradas caso a caso e levarão em consideração vários critérios, tais como a natureza intencional da infração, quantos assuntos foram afetados e quaisquer infrações anteriores do controlador ou processador.penalidades e multas para a quebra do sigilo de dados pessoais

Nem todas as infrações relacionadas a quebra do sigilo de dados pessoais previstas pela LGPD levam à multas. A autoridade nacional responsável pela supervisão, têm o escopo de tomar uma série de outras ações, tais como:

  • Emissão de avisos e repreensões; 

  • Tornar a infração pública após devidamente apurada e confirmada a sua ocorrência;

  • Impor uma proibição temporária ou permanente ao processamento de dados;

  • Ordenar a retificação, restrição ou eliminação de dados.

Vale destacar ainda que a responsabilidade pela quebra do sigilo de dados pessoais também exige a demonstração de negligência e não conformidade. 

Para que a empresa seja considerada responsável pela quebra do sigilo de dados pessoais, deve ser demonstrado que ela não cumpriu com suas obrigações, que isso resultou em danos reais e que existe uma relação causal entre a não conformidade e tais danos.

penalidades e multas para a quebra do sigilo de dados pessoais

O que as organizações devem fazer para se preparar para a LGPD?

O artigo deixa claro que as organizações devem levar a sério a proteção e o sigilo de dados pessoais. Questões de conformidade devem ser uma preocupação fundamental para as organizações, devido às implicações de responsabilidade mais amplas. 

Não se trata apenas de proteger a empresa diretamente de ameaças externas, mas também de garantir o limite de possíveis violações internas. 

Com isso, as organizações de diferentes segmentos e tamanhos não apenas têm uma responsabilidade mais ampla sobre o sigilo de dados pessoais, mas também um dever mais profundo de demonstrar sua conformidade.

O que as empresas precisam agora é se concentrar em atualizar seus protocolos de segurança de informação, políticas de proteção de dados e declarações de privacidade. 

Além disso, o treinamento de equipe é uma parte crucial da proteção e do gerenciamento de dados, já que está olhando de perto quem tem acesso aos dados, como é feito e quando. 

Por fim, as organizações devem passar por uma avaliação de risco adequada e fase de testes a esse respeito, visando garantir a conformidade com a legislação.

A proteção de dados pode beneficiar as empresas

Embora a LGPD tenha sido vista por alguns como um mecanismo para penalizar as empresas, a proteção aprimorada dos dados pode beneficiar as organizações. 

O público deve ser capaz de confiar na organização que usa e que se concentra em acertar um nível maior de proteção. Os esforços também visam melhorar a segurança e proteger melhor as empresas contra atividades criminosas. penalidades e multas para a quebra do sigilo de dados pessoais

Com a LGPD entrando em vigor efetivamente em 2020, as empresas, através dos seus gestores,  devem se conscientizar de suas tarefas e dedicar atenção significativa à segurança cibernética de suas operações. 

Este é, sem dúvida, um grande desafio, mas não pode ser deixado por fazer: todos os indivíduos e organizações que lidam com dados pessoais devem garantir que estão em conformidade com a nova legislação de proteção de dados. O risco de não ser compatível é muito grande e põe em perigo seu negócio.

Fique por dentro de nossas dicas e novidades! Acompanhe o blog, as nossas nas redes sociais e assine a nossa newsletter. Na Tilibra Express você tem a confiança de comprar online com uma marca líder de mercado.

Descarte de documentos confidenciais: o que você não deve fazer de jeito nenhum.

 

Descarte de documentos confidenciais

É muito comum cometermos erros durante o descarte de documentos confidenciais. Pelo simples desconhecimento, pessoas e empresas podem facilmente jogar fora fotocópias e cópias impressas de contratos, mídias digitais como CDs e DVDs utilizados como repositórios de arquivos, cartões de crédito e diversos outros documentos considerados sensíveis (informações protegidas contra divulgação indevida).

Caso você não saiba, destruir documentos de forma incorreta pode ser uma violação da legislação brasileira. Para se ter uma ideia, é muito importante você verificar os períodos de retenção de documentos, antes de destruir qualquer registro. 

Para esse nosso exemplo, o descarte de determinados documentos antes do período previsto pode gerar uma grande dor de cabeça, tanto para pessoas físicas quanto para empresas, em diferentes processos burocráticos previstos em nossa legislação.

O descarte de documentos confidenciais se tornou crítico para as empresas 

De certa forma, o cuidado com informações consideradas confidenciais sempre foi considerado algo crítico, principalmente para as grandes corporações e órgãos do governo. descarte de documentos sigilosos

Preocupadas com situações de risco, como espionagem industrial, no contexto local e entre países, e o cuidado com as informações estratégicas, sempre levou as organizações a tomarem ações preventivas no uso e descarte de documentos confidenciais.

O que mudou de fato nos últimos anos, quanto ao cuidado com esse tipo de documento foi a preocupação com o uso de dados pessoais, seu armazenamento e descarte, tornando-se uma prioridade para todas as organizações, independente de seu tamanho ou segmento

O que são documentos confidenciais?

Basicamente, documentos confidenciais refere-se a qualquer informação que uma empresa ou indivíduo não deseja tornar pública. Pode incluir qualquer coisa que tenha sido adquirida ou disponibilizada a um indivíduo ou outra entidade legal no curso do relacionamento entre as partes.

Pode incluir, mas não se limita a, quaisquer informações ou documentos sobre a estrutura organizacional, atividades, procedimentos operacionais, produtos e serviços de uma empresa, propriedade intelectual (patentes , direitos autorais e marcas registradas), segredos comerciais, finanças, planos, transações e políticas, assim como, informações sobre uma pessoa, incluindo dados sobre trabalho, financeiros, de saúde ou até mesmo de familiares.

Se você trabalha no campo da saúde, por exemplo, é necessário permanecer com a confidencialidade do paciente. Isso significa que você não pode divulgar informações sobre ele a quem não está autorizado.

documento confidencialSe você trabalha em outra linha de trabalho, os documentos confidenciais devem ser mantidos seguros como forma a proteger não apenas a privacidade, mas também as informações relativas a documentos financeiros.

Diante deste novo cenário, onde o cuidado com uso de dados pessoais se tornou motivo para a criação da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), quais são os erros a serem evitados durante o processo de descarte de documentos confidenciais? 

Descarte de documentos confidenciais: o que você não deve fazer de jeito nenhum?

As empresas devem aplicar uma política de limpeza às suas próprias práticas comerciais para garantir que os arquivos e / ou documentos antigos, desatualizados e indesejados sejam destruídos com segurança. 

Isso ajudará as organizações a evitar a exposição de informações confidenciais que podem aumentar o risco de fraudes, violações de dados ou roubo de identidade e que possam comprometer a empresa, seus clientes ou até mesmo seus próprios funcionários.

Vamos aos erros mais comuns.

#Erro 1: Definir uma política de armazenamento e descarte único para todos os documentos

Uma política de armazenamento e descarte de documentos garante a assertividade e conformidade na gestão de arquivos, porém manter documentos confidenciais depois de não serem mais necessários aumenta os riscos de roubo de dados, perda de privacidade e as despesas de armazenamento e destruição. 

Lembre-se: documentos diferentes têm prazos de retenção e descarte próprios, por isso é importante ter um processo para designar e revisar datas de disposição final para cada tipo de documento que sua empresa utiliza.

#Erro 2: Não validar o processo de descarte de documentos confidenciais

Sem um processo verificável de destruição de documentos, sua empresa não pode comprovar a conformidade com as legislações existentes. 

Um processo formal de validação fornece uma garantia que todos os procedimentos executados durante o descarte de documentos confidenciais são eficientes de acordo com o resultado esperado nas políticas da empresa. Dessa forma, quando um regulador ou auditor aparecer à sua porta, você poderá mostrar a prova de conformidade da sua organização.

#Erro 3: Não destruir fisicamente os dados digitais

Nunca cometa o erro de usar “excluir” como um método de descarte de dados digitais. Mesmo depois de apagar dados de um dispositivo digital, um rastro desses dados é deixada para trás e pode ser recuperada por criminosos com o conhecimento correto. 

Em vez disso, use equipamentos adequados (triturador e desmagnetizador) ou um serviço de destruição de mídia profissional para destruir fisicamente os equipamentos redundantes de TI e os dispositivos de armazenamento de dados, como:

  • fitas de dados

  • discos rígidos portáteis

  • dispositivos móveis

  • computadores e laptops

Uma vez destruído, seus ativos de TI serão transformados em pequenas partículas, podendo desta forma, descartar todo o lixo eletrônico de acordo com as diretivas de resíduos de equipamentos elétricos e eletrônicos existentes.

#Erro 4: Adotar um triturador de papel inadequado ao tipo de documento a ser descartado

As fragmentadoras de papel são considerados uma boa opção para o descarte de documentos confidenciais, porém para ser eficiente e seguro no processo de destruição, é preciso fazer a escolha adequada do equipamento a ser utilizado em sua empresa

Para a destruição de documentos em larga escala ou no caso de documentos confidenciais cada fragmentadora possui suas características e devem ser avaliadas de acordo com as necessidades estratégicas de cada organização.

O principal erro neste cenário é pensar em economia sem dar prioridade às características de cada empresa possui quanto ao uso e descarte de documentos confidenciais.

Basta um único erro no descarte de documentos confidenciais para prejudicar permanentemente seus negócios, portanto, tome cuidado para evitar erros como os que foram mencionados aqui.

Seja na forma de documentos físicos ou digitais, pen drives, discos rígidos, documentos sigilosos ou confidenciais, eles precisam ser protegidos e manipulados com responsabilidade, especialmente se os dados contiverem informações pessoais.

Por essa razão, não pense duas vezes antes de implementar formas seguras de armazenamento e descarte.

Fique por dentro de nossas dicas e novidades! Acompanhe o blog, as nossas nas redes sociais e assine a nossa newsletter. Na Tilibra Express você tem a confiança de comprar online com uma marca líder de mercado.

Como garantir que seu escritório esteja em conformidade com a LGPD

Os requisitos da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) aplicam-se ao processamento e armazenamento de dados pessoais, e isso significa que a proteção de dados deve ser uma prioridade para todas as organizações, independente do seu tamanho ou segmento.

A LGPD define altos padrões em termos de privacidade, segurança e conformidade. Na prática, isso quer dizer que o não cumprimento dos requisitos definidos pela lei, pode levar ao fechamento do seu escritório em virtude das multas aplicadas.

Certamente esse é o tipo de risco que você não quer correr. E por isso, temos algumas dicas importantes de como garantir que seu escritório esteja em conformidade com a Lei Geral de Proteção de Dados.

A nova legislação entra em vigor em 2020, e por isso, ainda dá tempo de organizar seu escritório e evitar multas que podem chegar até R$ 50 milhões por infração.

A importância da gestão de documentos e a adequação da LGPD

Ao definir rigorosos requisitos sobre o uso de dados pessoais, a LGPD basicamente define como as informações de clientes, funcionários e até fornecedores devem ser processados, armazenados e descartados em sua empresa, sejam eles no formato físico ou digital.

Como um escritório, a exemplo de segmentos como direito, contabilidade, arquitetura e engenharia, é preciso seguir as diretrizes da lei que foram elaboradas em torno de 6 princípios básicos:

  1. Transparência como os dados pessoais são processados, usados e descartados;

  2. O processamento de informações pessoais é limitado a propósitos específicos e bem fundamentados;

  3. A coleta e o armazenamento de informações pessoais são apenas para fins do negócio;

  4. Os indivíduos têm o direito de pessoalmente corrigir ou remover dados;

  5. O armazenamento de dados pessoais identificáveis ​​é limitado ao objetivo pretendido e somente pelo tempo que for necessário;

  6. Os dados pessoais devem ser protegidos por métodos de segurança apropriados, incluindo o seu descarte.

Para atender a esses princípios, é preciso ter claro em que momento do seu ciclo de trabalho informações pessoais são coletadas, processadas, armazenadas e até mesmo descartadas. Esses dados podem incluir, por exemplo:

  • Bancos de dados de clientes;

  • Formulários de contato;

  • Conteúdo de e-mail;

  • Fotos;

  • Gravações de câmeras de segurança;

  • Contratos, incluindo rascunhos e cópias;

  • CDs e DVDs de backup;

  • Fichas de RH ou currículos (CV).

Muito se fala em proteção digital, afinal seguimos uma tendência natural de termos uma boa parte dos documentos no formato digital, porém, vale lembrar que nos pequenos escritórios ainda é uma prática o uso de papel em seus processos de trabalho.

Por falar em processos de trabalho, de que forma você descarta seus documentos físicos? Sejam eles rascunhos, cópias de documentos, contratos, contas, etc.

Você sabia que seu lixo pode ser um risco para a proteção e privacidade de dados e pode gerar uma pesada multa ao seu escritório?

Por que triturar documentos é tão importante para a proteção e privacidade de dados

Com a LGPD, toda organização tem a responsabilidade legal de proteger informações confidenciais e descartar material confidencial com segurança.

Um fragmento de informações da folha de pagamento, um rascunho de proposta ou contrato do cliente, a cópia de um processo ou um currículo de um candidato ou funcionário podem estar infringindo os requisitos definidos pela LGPD.

Com enormes penalidades financeiras em jogo e a sobrevivência do seu negócio em risco, é vital que as informações confidenciais sejam descartadas corretamente.

Sendo assim, a destruição correta de documentos deixa seu escritório livre de incidentes relacionados ao roubo e vazamento de dados.

Como escolher a fragmentadora certa para o seu escritório

Selecionar a fragmentadora de documentos depende de vários fatores, desde o tipo de uso, o nível de segurança, o volume de documentos e outras características que podem influenciar na escolha do equipamento.

Um dos maiores erros cometidos pelos gestores em seus escritórios é comprar um equipamento que não atenda às suas necessidades. Por exemplo, comprar um fragmentadora de uso pessoal quando a demanda de documentos exige uma máquina para trabalhos maiores.

Para as necessidades de segurança, por exemplo, uma fragmentadora de documentos de micro cortes é a melhor opção para destruir informações confidenciais e para atender aos requisitos da LGPD.

Basicamente, existem três níveis de segurança que devem ser verificados na escolha da fragmentadora a ser utilizada no seu escritório:

  • Corte em tiras;

  • Corte transversal;

  • Corte em partículas;

  • Microcorte.

  • Supercorte em partículas.

O nível de segurança determina quantas tiras ou partículas uma folha será fragmentada.

Uma fragmentadora de corte de tiras é ótimo, mas recomenda-se triturar com pelo menos um triturador de corte transversal, para descartar documentos no tamanho de papel padrão utilizados nos escritórios, normalmente folha A4.

Profissionais e escritórios de diferentes negócios que coletam e gerenciam informações pessoais devem protegê-las contra o uso indevido de documentos e respeitar os direitos do proprietário dos dados.

Você está procurando uma conformidade da LGPD, não deixe conferir os dispositivos de segurança, um exemplo de modelos de fragmentação e de segurança da Tilibra Express. Confira mais dicas no blog da Tilibra Express!